Psicografia: TENHAMOS ALEGRIA DOS QUE SABEM QUE O FUTURO NOS RESERVA DIAS FELIZES (Marco Antônio Rocha)

TENHAMOS ALEGRIA DOS QUE SABEM QUE O FUTURO NOS RESERVA DIAS FELIZES

Marco Antonio Rocha

Mamãe Delmira, Papai, que Jesus nos dê a sua força, nós que tanto necessitamos.

Mamãe, antes de tudo quero lhe agradecer pela coragem com que você vem enfrentando minha ausência. Estou aqui com a vovó Maria e desejo asserenar seu coração no sentido de saber que estou bem, em clima de muita esperança.

O trânsito, não é mamãe, é uma ciência, e toda a ciência não se deve brincar. Imagina o químico que em laboratório brincasse com os elementos químicos. Existe na conclusão da química todo um tratado de segurança para que não se ocorram desastres.

O trânsito na cidade, nas rodovias, é uma ciência que desejamos dizer que não se pode brincar. Por aí tantos jovens andando sem maiores responsabilidades. As orientações que chegam de nossas autoridades não ocorrem por acaso, são a partir de estudos precisos, através de estatísticas bem conduzidas. Veja aí as estatísticas referentes aos acidentes de moto pelos descasos e abusos. Os rachas que acontecem nas vias públicas representam o ímpeto de jovens que querem mostrar que são super-homens, querendo vencer limites e às vezes não se dão conta que colocam em riscos suas vidas e de outras criaturas.

Senti quando um toque de um veículo chocou com o veículo, expulsando-me para fora do carro. Eu não estava com o cinto de segurança, e caso tivesse respeitado as determinações de nossas autoridades, o impacto não teria me removido para fora do carro. Se escaparia com vida no corpo, eu não saberia lhe responder essa questão, mas a probabilidade de amortizar o resultado do acidente seria sem dúvida bem clara.

Cabe-nos mamãe de não ficar buscando responsáveis pelo acidente ocorrido comigo, pois não resolveria o nosso problema de saudades. Não é possível retroceder, como fazemos em um filme de DVD. Precisamos suportar, mamãe, as provas que nos chegaram, para que não vivamos nos martirizando na dor.

Eu também precisei aceitar o acontecido, e assumir a parcela de minhas responsabilidades. O que me adiantaria reclamar dos outros ocupantes dos veículos envolvidos? A verdade, mamãe, é que estou em outra realidade da vida, onde tudo vem continuando, pois dia a dia estou aprendendo e conquistando nova visão da vida.

Não se entregue ao desânimo e à tristeza, por mais que lhe machuque o espinho da saudade. A saudade deve ser sim um aviso da vida, que um dia estaremos novamente reunidos.

Peço-lhe ser a portadora de minhas recomendações de sucesso às minhas irmãs Paula e Rafaela, a quem desejo toda a felicidade do mundo. Não choremos pelo passado que ficou, mas tenhamos alegria dos que sabem que o futuro nos reserva dias felizes.

Deixo a vocês o melhor de mim, porque você é para mim a mãezona que sempre foi e é a corajosa mãe que fez o impossível por mim e por minhas irmãs.

Na certeza do reencontro dessa manhã, dedico as notícias em nome de nosso amor.

Seu filho de sempre, Marco.

MARCO ANTÔNIO ROCHA (07/09/2003, 23 anos)

Mensagem psicografada pelo médium Orlando Noronha Carneiro, dia 26 de setembro de 2010, no Grupo Espírita de Caridade Meimei, em Curitiba.
Publicado em Psicografias

Deixe uma resposta