Psicografia: O TEMPO É O MEU MAIOR ALIADO PARA QUE EU APAGUE O PASSADO (Rodrigo Duarte)

Querida mãezinha Rosana, e meu pai Osmar.

Estou aqui mamãe da melhor forma possível, atendendo-lhe à sua solicitação e em companhia de outros amigos que nos acompanham.

Sinto na obrigação de vir até você, ao papai Osmar e ao meu irmão Robson para lhes pedir minhas mil desculpas pelas ocorrências.

Poderão me perguntar, ou até raciocinar que agora que tudo aconteceu venho de bonitinho como se eu virasse de uma hora para outra um anjo ou algo assim… Isso não é verdade, sou ainda a pessoa que necessito rever o que tenha feito e programar um novo caminho para minha vida.

Quem me ajuda a pensar com mais proveito é a vovó Maria Teresinha que me acolheu em seus braços.

Ah mãe, se eu pudesse alterar o calendário ou alterar o ponteiro do relógio eu teria que ouvir seus conselhos e as colocações do papai Osmar quando me vi envolvido pelo uso da droga.

Creio que muitos estão na situação em que estive, o de estar surdo nas orientações no seio familiar.

A droga é um mundo de imensa ilusão que saímos pouco a pouco da realidade.

Eu estive surdo à qualquer orientação e conselho por muito tempo, até que vocês com muita luta me posicionaram em tratamento na clínica.

A luta não foi fácil diante da dependência, até que consegui um tempo melhor e maior de restabelecimento.

O que mais me machuca aqui é que dei ouvidos à minha fragilidade e iniciei a todo vapor o consumo que gerou um verdadeiro choque no corpo, principalmente no coração, nas áreas cardíacas, e o coração não aguentou a pressão de outros sistemas de meu corpo.

A responsabilidade total está em mim e tenho consciência de que em casa criei muitos conflitos e discordâncias a ponto de gerar uma gelada em nossa relação com o papai e com o Robson meu irmão. É principalmente por isso que venho nessa carta com o auxilio da vovó Maria Terezinha pedir que você com meu pai Osmar e o Robson me desculpem por tantas complicações que criei em nosso lar, principalmente a você mamãe que sempre esteve preocupada com meu destino.

A vovó me fez ver que você muitas vezes sofreu em silêncio ao ver a desestrutura em casa.

A vovó me fez refletir que você muitas vezes se viu desiludida ao comparar com seus ideais nascentes quando junto com o papai Osmar planejavam e idealizavam o futuro de uma família.

Ainda estou refletindo tudo o que vovó tem me falado para que eu vire de vez a folha de minha vida.

Penso estar em tempo para dar uma injeção de ânimo em casa. Que o papai Osmar do jeito dele saia mais para a vida e que o Robson se encaminhe olhando para a frente conquistando seu espaço.

Me perdoe mamãe por ter criado dor em seu coração. Eu peço a sua compreensão para que eu me sinta mais livre por aqui.

Aos poucos vou compreendendo que o tempo é o meu maior aliado para que eu apague o passado.

Espero que o papai Osmar aceite minhas palavras, que aceite meu pedido de desculpas, e que abra o seu coração para pensar melhor quanto a mim.

Se o recado mudar um pouco seus corações no mínimo que seja me sentirei mais satisfeito.

Como disse a vovó é que infelizmente os drogaditos só olham para a palma de suas mãos sem olhar que a vida é mais do que vemos.

Chorei a vê-la aqui… O que lhe peço é que continue buscando seu espaço de conhecer e aprender, porque estou fazendo isso aqui.

Receba mãe o meu abraço do filho que lhe pede mais uma vez: Me perdoe!

Sou sempre grato pelo que me fizeram, e eu seu o quanto criei de dificuldades.

Você e papai não erraram comigo, fui eu que não quis segui-los no bem que me ensinaram, mas que agora estou em caminho certo com o apoio de minha avó Maria Teresinha.

Deixando o meu abraço, o filho e irmão pedindo perdão…

RODRIGO DUARTE

Mensagem psicografada pelo médium Orlando Noronha Carneiro, dia 17 de julho de 2011, no Grupo Espírita de Caridade Meimei, em Curitiba.

Publicado em Psicografias

Deixe uma resposta