O RELÓGIO DE DEUS CHAMA-SE ETERNIDADE (Fabiano Fuchs Mancio)

Mamãe Terezinha, Papai Clóvis.

Encontro-me nessa manhã com apoio carinhoso de minha avó Iraci, que aproveita para deixar a todos o abraço sempre saudoso.

Retorno na carta que lhes trago nessa manhã com o objetivo de tranquiliza-los diante de minhas condições.

Espero que vocês se fortaleçam a cada dia e saibam administrar a saudade tanto quanto eu também luto pra deixa que a saudade tenha o dom de me levar a tristeza.

Peço muito que você Papai continue lutando contra a dor de minha ausência. Confio em sua superação, até porque a Paula e o Willian esperam que vocês fiquem firmes na caminhada.

Já pude várias vezes vê-lo em Guaratuba, Papai, e sinto seus pensamentos de tristeza e das dificuldades em crer que seu filho não mais se faz presente fisicamente ao seu lado.

Procuro ao máximo envolvê-lo para que não descambe a qualquer excesso, pois o corpo, Papai, tem seus limites.

Você deve compreender o que lhe digo, e não veja qualquer intromissão em sua vida, mas o sentimento do filho que se preocupa com seu futuro, que deve ser longo, junto com a mamãe Terezinha, e aos meus irmãos.

Quem seria eu para pedir a vocês que não sentissem a tristeza no coração, mas o que peço é a renovação do modo de ver a vida. É o que mais eu tenho feito por aqui, olhar para a vida e aprender com ela no que ela tem agora me oferecido.

Está tudo certo de que a vida nos conduz a enxergar as suas realidades, não como nós queiramos, mas pelos meios que realmente devemos entendê-la, a vida que na verdade conseguimos absorver.

Saibam que o coração parou em Guaratuba por leis que estão acima de nós, e que não haveria recursos que removessem essa situação clara em minha vida. Esse ponto deve ser ponto pacífico para que não alimentemos qualquer outra perspectiva imaginária.

O que precisamos saber é que não nos afastamos em definitivo, mas continuamos juntos por outros processos da vida.

Aqui a vovó Araci tem sido uma mãe querida a me acolher com tanta ternura.

Espero de coração, mamãe, que você siga em frente nos seus objetivos de aprender e amanhã servir, por como me diz vovó Iraci: “mão no arado é remédio para muitos problemas”. E estou com ela, pois no momento em que deixei de estar nas lamentações, e procurei produzir, olhei para mim e verifiquei mudanças em mim.

Eu entendo que é cada um ao seu tempo, mas peço a você, papai, que remova seus ideais, para que não viva como se o tempo irá lhe responder e resolver todas suas dificuldades, dor e desilusões.

Em verdade só tenho a lhes agradecer por tudo que fizeram por mim, muitas e muitas vezes com grandes sacrifícios.

É isso aí que tinha a lhes falar, e me desculpem se sou soube dizer:
– Eu peço, eu peço. É porque desejo vê-los bem, equilibrados, e com o controle no coração para enfrentar com bravura essa nossa ausência temporária, porque com outra visão por mais pensamos que a vida nos 70, 80, 90, é tempo a beça, na verdade é um nada na velocidade do tempo, no relógio da eternidade.

Como ouvi por aqui, o relógio de Deus chama-se eternidade.

Meu beijo carinhoso a cada um, torcendo por vocês sempre.

O filho bem melhor…

FABIANO FUCHS MANCIO (16/11/2009, 33 anos)

Mensagem psicografada pelo médium Orlando Noronha Carneiro, dia 27 de março de 2011, no Grupo Espírita de Caridade Meimei, em Curitiba.
Publicado em Psicografias

Deixe uma resposta