Psicografia: Não existe morte (Carlos Augusto Lima)

Querida mamãezinha Rosilene, Deus nos abençoe nossos corações…

Acompanhei você na viagem tentando apertar o botão da esperança…

Aprendamos mamãe a conviver espiritualmente, porque não existe morte.

Onde a nossa Fé? O que estamos fazendo dela mamãe?…

Eu não estou no túmulo…

Estou a centenas e centenas de quilômetros longe dele…

Você é a minha flor maior…

É você que eu deposito no vaso de meu coração. Você é a minha flor no jardim da vida… O importante é que o que me ocorreu vem sendo alerta para os que navegam na internet… Grandes tramas e emboscadas ocorrem por lá…

Que nossos jovens se atentem para isso…

Tentei me fazer o mais claro possível no final do ano nas festas…

Contudo a sua tristeza formou uma casca que não permitia o meu acesso.

É por isto que lhe peço não se entregue, tentando desistir.

O suicídio nos afastará mamãe… Não dê oportunidade para pensamentos infelizes…

Não aceite estes convites…

Eu não morri, e estou ao seu lado o quanto posso… Agradeçamos mamãe os amigos que nos carregam no colo…

Eu peço por mim a sua coragem para continuar vivendo.

Força Mãe!

Conto com você!

Não queira triplicar o tempo de nosso reencontro, sendo que podemos estar juntos amanhã, no momento justo…

É isso ai mamãe um beijo.

 

Carlos Augusto Lima

Curitiba, 26 de fevereiro de 2012.

 

Publicado em Destaques, Psicografias

Deixe uma resposta