Psicografia: A VIDA É MUITO SUBLIME PARA AS MANIPULAÇÕES INTERESSEIRAS (Alexandre Sarnacki)

Querida Dirce, mantive-me calado até agora, mas graças a Deus abriram a porteira para que eu escrevesse.

A saudade é imensa, mas às vezes a coisa aperta.

A oportunidade me permite me encontra-la aqui com o mesmo amor que via em seu olhar a cada manhã.

Estive aqui pensando como é maravilhoso o mecanismo da vida. Um dia os homens entenderão que a morte não é o fim. E olha que tem muita gente sem esse entendimento, e sofrem com isso.

Creio que se eu falar da montanha e suas brisas que emanam e que cultuamos, muitos ao lerem essas páginas poderão sorrir, mas o que importa é o que fala nossa alma, de alma para alma.

Que sinfonia que existe em nós no amor que sentimos de um para o outro? Você lá no íntimo: o Alexandre viajou, mas continua o mesmo galanteador. Bingo, Dirce, no amor que tenho por você. Mas trago notícias da minha mãe Olga, já vou lhe falando isso, porque isso sem dúvida acontecerá conosco.

Certo dia vi mamãe Olga chorando. Peguei ela de jeito. É sim, em nós vertem lágrimas. Abracei a mamãe, escutando as suas lágrimas. A mamãe me olhou e disse:

– Filho, chegou a minha hora, em dado momento deveria retornar, retornar para prosseguir. Pois bem, hoje recebi o comunicado que deverei retornar, e participar da programação da volta

Dirce, eu senti uma dor grande no peito, sem esteio, sem chão. Mas entendi, fui compreendendo. A dona Natália veio-me ao encontro para cuidar de minhas lágrimas. Resumindo, a mamãe Olga já conta com 5 meses em família. Eu participei da reencarnação da mamãe Olga. Que engenharia essa da reencarnação! A vida é muito sublime para as manipulações interesseiras. Ninguém aí deve brincar de viver, e nós aqui não devemos brincar de reencarnar.

A mamãe está em família, graças a Deus. Estou bem com essa novidade para mim. Eu não chorei tanto em minha vida como a de ver mamãe retornando, mas não lágrimas de dor, mas sim de exaltação à vida.

Essa é a notícia que lhe trago, e que no vinho do amor puro sintamos na taça de nossa memória o nosso eterno amor.

Sou eu, um tanto emotivo, e não tenho jeito mesmo. Em outras palavras estou pedindo seu ombro para desabafar.

ALEXANDRE SARNACKI (22/11/2006, 60 anos)

Mensagem psicografada pelo médium Orlando Noronha Carneiro, dia 12 de dezembro de 2010, no Grupo Espírita de Caridade Meimei, em Curitiba.
Publicado em Psicografias

Deixe uma resposta