O FILHO NÃO FOI EMBORA, MAS TEVE QUE TIRAR UMAS FÉRIAS NA PRAIA DA VIDA (Gregory Francesco De Oliveira Cordeiro)

Querida Mãezinha, eu te amo e te adoro.

Obrigado por ter compreendido na reunião anterior a esta, quando cedi de coração e alma a minha vez para o contato.

Sei mamãe que você não desanimaria na busca, sei a mãe que tenho e saberia que você não desanimaria na busca.

Não vim só, o vovô Gentil veio aqui comigo e deixa também o seu abraço e o seu carinho.

As nossas lágrimas de hoje devem ser a expressão da alegria que precisamos ter a partir de agora.

Mãe, não houve qualquer erro de diagnóstico ou alguma perda de tempo para conseguir saber o que comigo acontecia. Há situações na vida que caminham para um final que jamais pensamos que ocorreriam conosco.

Quando vejo o panorama das coisas aqui, fico até meio perdido para compreender as grandezas da vida e ver que somos mesmo muito pequenos e venho aqui me sentido esta pessoa pequena neste universo sem fim.

Não temos o que lamentar, sei o quanto sangra em seu coração a minha ausência, mas peço que você não deixe a depressão avançar.

A tristeza muitas vezes ela vem devagar e pode tomar uma forma não legal para você.

Entendo tudo esta sua integração comigo e tenha a certeza que comigo ocorre a mesma coisa, pois o nosso amor sempre foi fiel e sempre envolvente como se fossemos uma pessoa só.

Nada disso modificou entre nós nosso amor é intenso. Não se entregue mamãe à tristeza, não se ajoelhe para a dor, levante a cabeça e firme siga para a frente.

Que o seu sorriso seja a expressão de quem sabe que o filho não foi embora, mas teve que tirar umas férias na praia da vida, aqui em cima, onde tudo continua.

Preciso parar, mas sem dúvida deixando à Isadora, ao Jorge e ao Grenhalger o meu sincero abraço do irmão, sempre saudoso.

Sou sempre o filho que lhe ama, Gregory.

GREGORY FRANCESCO DE OLIVEIRA CORDEIRO (25/02/2012, 14 anos)

Mensagem psicografada no Centro Espírita Recanto da Prece, em Curitiba, no dia 29 de julho de 2012, pelo médium Orlando Noronha Carneiro­

Publicado em Psicografias

Deixe uma resposta