Novas Ondas da Vida (Fabiana Fernandes)

Querida mãezinha Reni, querido papai Alceu.

Como iniciar essa carta que lhes trago?

Sendo sincera não sei por onde começar, pois estou ainda me refazendo, mas estou sendo amparada por aquela que é o vovó Paulina.

Outros amigos de agora me ajudaram a estar aqui, porque eu necessito lhe dizer mamãe que me perdoe por ter desistido.

Cansei de lutar e prosseguir, porque era uma briga minha com o mundo, os conflitos meus, o tratamento depressivo ia no seu controle, nas doses prescritas, mas o quimismo cerebral não conseguia suportar toda a carga de minhas indefinições perante à vida, o conflito da existência.

Ouvia seus conselhos de bom ânimo e percebia a preocupação com minhas condições interiores

Hoje eu penso que a medicação com mais clareza age no efeito de nossos problemas.

A depressão mamãe é mais do que uma doença por problemas no quimismo cerebral. A depressão é uma doença da alma no terreno das emoções gerando os descompassos no corpo físico.

É possível que hoje eu compreenda essa realidade ao me ver melhor por aqui.

Me perdoe mãe se eu deixei essa dor em seu coração e creia que isso é algo que me dói mais.

Que a Flávia minha irmã esteja sempre com você, então o que dizer de nosso Fernando, o grande amor de meu coração.

Não acredite você, papai e família, que algo tinha sido falhado. Não, a responsabilidade foi minha ao decidir aumentar a dose da medicação ciente do que  ocorreria depois.

Não consegui suportar, mas a grande verdade é que não apagamos nossos conflitos e problemas desistindo de viver.

Agora cabe-me respirar em novas ondas da vida e sei que quem me acordou dos pesadelos foi a minha avó Paulina e o vovô Eduardo que não pode vir nessa manhã.

Eles têm sido meu esteio, a minha âncora.

Retorne para casa mamãe, abrace o papai, a Flávia e o Fernando por mim, na certeza que sua filha está ciente que o tempo não se acaba e que o amanhã me pedirá reconsiderar os passos para reaprender e reorganizar meus caminhos.

Conto graças à Deus com meus avós nos novos caminhos e tenho esperança que você dormirá melhor com mais serenidade.

Não escrevo só, sou auxiliada, mas sou eu mesmo mamãe, porque se me enganei atrasando os passos a vida não se enganou comigo porque estará me dando novas estradas para avançar e reconstruir.

Sua filha pedindo-lhe sua compreensão, te amo mãe.

FABIANA FERNANDES (08/12/2012, 32 anos)

Mensagem psicografada no Centro Espírita O Bom Samaritano, em Curitiba, no dia 28 de abril de 2013, pelo médium Orlando Noronha Carneiro­

Publicado em Psicografias