NÃO SAÍ DE SEUS CORAÇÕES (Vanessa de Melo)

Querida mãezinha Madalena, querido papai Agostinho, minha irmã Crisleine, peçamos as bênçãos de Deus por esse instante de reencontro que nos é proporcionado.

Mamãe, estou com a vovó Jordina que nos abraça, nos abençoando a todos.

Mamãe estou aqui atendendo seu coração, desejando lhe trazer paz ao seu coração, podendo sentir seu coração mais sereno, sem tanta dor.

Mãe não pense assim que sua dor ficou presa em você e que o autor de triste ação por estar recluso não sente a dor que você sente.

Mãe, quero nessa carta lhe dizer que desejo lhe ajudar ao olhar com mais visão, uma visão mais ampla, saindo na visão de agora em que centraliza a dor hoje.

Estamos mamãe separadas “entre aspas” por algum tempo, mas com a consciência tranquila e limpa.

Agora mais que uma reclusão por um delito há uma prisão maior e dolorosa que é da consciência culpada.

Mãe, vejo aqui na vila espiritual os que chegam com a carga da violência na mão por mais que se sintam livres do corpo estão presos na grade da própria consciência por não conseguirem apagar o que as mãos fizeram contra alguém.

Mamãe, papai, não estou falando de algo longe aos nossos pensamentos, o que mais me dói é vê-los na treva dolorosa da aflição, requisitando dia a dia a minha presença, como se eu estivesse saindo de suas vidas, do papai, da Fabiana, da Simone, minhas irmãs. Não saí de seus corações, só estou por alguns momentos em viagem de novas realizações.

A tempestade que caiu em nossas cabeças já passou, e hoje me encontro no sol de novas esperanças.

Trabalhe mãe essa inconformação junto com meus irmãos e papai, para que não exista o lixo da mágoa em seus corações.

Como sabem, não podia prever que x pudesse agir em verdadeira loucura no desespero de me perder. Há pessoas que não tem estrutura para suportar as negativas de alguém. As histórias nesse sentido estão repletas por aí.

Não pense mamãe que estou distante de você e que a casa parece mais vazia, não é assim, muitas vezes lhes abracei em casa para aliviar a sua dor.

Aguentem firme papai e mamãe, com toda a paz em nossos corações, em família junto com minhas irmãs que são para mim a proteção que vocês precisam em casa.

Mamãe, pai Agostinho, um dia a vida nos devolverá a bênção do reencontro. Tenhamos paciência com a dor silenciosa que nos incomoda a alma.

Saiba mamãe que já estou trabalhando por aqui, e no trabalho esqueço aquele dia triste e tão surpreso pela atitude de x.

A vovó Jordina em conversas descontraídas tem me ajudado a pensar na prece e na oração, onde Deus nos auxilia a suportar as nossas dificuldades.

Não chore mais desta forma mamãe…

A emoção desta hora, expedindo forças ao coração, sou eu mesma com vocês, Vanessa.

VANESSA DE MELO

Página psicografada pelo Médium Orlando Noronha Carneiro em 21/07/2013 no Centro Espírita Bezerra de Menezes, Palhoça/SC

Publicado em Psicografias