NÃO ESTOU SEM RUMO POR AÍ (Jorge Helias Cordeiro Bezerra)

Jorge

Jorge

Mamãe Andreia, Eurico grande pai companheiro, estou fazendo o melhor para escrever nesse dia com todas as surpresas que eu deparo.

Estou me segurando pra trazer o recado que o tempo deixar.

Quem me apoia para me escrever e que segura em minhas mãos é a vovó Vera que vem sendo uma grande protetora de meu coração.

Desculpe mãe se não ouvi seus conselhos, a sua insistente orientação me pedindo o afastamento de convívios não legais. Eu não quis ouvi-la, mais atento às minhas ansiedades.

Acredito que a gente fica cego, acho que é uma lavagem cerebral que nos fazem que não nos permite ouvir as orientações que recebemos, e por não ouvir seus pais e familiares muita gente se vê em complicações.

Este mundo aí do pessoal envolvido nos vícios não tem fazendo outras coisas senão criar os desgostos que trazem aos familiares que ficam.

Agradeço por ter vindo até aqui, e mesmo que em poucas páginas lhe dizer que não estou sem rumo por aí.

A vovó Vera tem me acudido e estou fazendo vida nova aqui com o auxílio dela. Devo à vovó Vera tudo de bom que me vem proporcionando.

Peço a você mamãe e você Eurico que se fortaleçam na fé, não estou trazendo mágoa no coração por aquele que enlouquecido atirou contra mim em uma verdadeira loucura mesmo.

Que nosso Richard possa ser o porta-voz de meu alô a todos os irmãos do coração.

Com todo meu sentimento de saudade, sou o filho sempre reconhecido pedindo a sua compreensão mãe, e mais uma vez desculpa por não ter lhe dado ouvidos.

JORGE HELIAS CORDEIRO BEZERRA (05/02/2012, 18 anos)

Mensagem psicografada no Centro Espírita O Bom Samaritano, em Curitiba, no dia 30 de junho de 2013, pelo médium Orlando Noronha Carneiro­

Publicado em Psicografias