MINHA VOZ NAS LETRAS QUE MATERIALIZO NESTAS LAUDAS (Leandro Cancelier Gaspar)

Querida mãezinha, meu irmão Evandro…

Deus nos conceda a sua paz…

Estou com meu avô Osni, que lhes deseja sorte, luz e saúde.

Graças a Deus irei descerrar o silêncio que parece nos machucar. Acho que para os que ficam o silêncio é a dor mais forte de sentir.

Entrar no quarto, ali olhar e não mais ver quem você ama e escutar o silêncio é barra… Desgrudar de quem vivemos grudados, né Evandro, não é bolinho pra ninguém…

Queria que estas folhas fossem um alto-falante que sonorizasse a minha voz, para que você, mamãe, você, Evandro, curassem de vez a dor de minha ausência… Mas vou fazer o que? Está ao meu alcance e colocar minha voz nas letras que materializo nestas laudas.

Até me arrepiou qualquer possibilidade de pensarem que alguém tenha feito algo comigo. Não e não. Vou esclarecer os fatos, sendo bem taxativo com vocês. Eu vinha no carro, quando àquela hora o sono veio louco, e me pôs de olhos fechados. E aí vocês sabem o que aconteceu: o acidente, os traumas internos, e que não resisti.

Vamos tirar qualquer ideia de que algo diferente tenha ocorrido. As pessoas muitas vezes não sabem o que falam.

Acredite, mamãe, você quer a sua resposta: – Eu dormi no volante.

Assim damos por finalizada a questão de seu filho.

Estou seguindo como vocês, lutando para com a saudade, para que a saudade não machuque tanto, porque não são só vocês que sentem falta de mim. Eu me vejo aqui, sentindo a ausência de vocês.

Agora é hora de darmos ainda mais as mãos, para vencermos juntos essa nossa situação, que é uma realidade.

Eu peço desculpas se deixei dor na presença de vocês.

Que nós possamos torcer para que os jovens não se iludam com o que chamam de heróis da superação e da fortaleza, achando que poderão vencer todas as barreiras. Infelizmente, as estatísticas estão aí… Muitos jovens na madrugada antecipando a vinda. E assim, muitos lares vão perdendo os seus amados, deixando lágrimas.

Meu irmão, fique bem… Minha irmã, também… Podem continuar conversando comigo, eu escuto sim os seus pensamentos.

Cuidem de nossa mãe, que precisa de nós, porque vocês daí serão a companhia da mãe, e eu aqui estarei dando a força que estiver ao meu alcance.

Mamãe, sempre te amei e continuarei te amando para sempre.

Sou muito grato a todos vocês.

Durma despreocupada, mamãe, eu estou bem…

Beijo, irmã.

O seu filho, com emoção.

LEANDRO CANCELIER GASPAR (15-11-2011, 30 anos)

Mensagem psicografada no Centro Espírita Recanto da Prece, em Curitiba, no dia 24 de junho de 2012, pelo médium Orlando Noronha Carneiro

Publicado em Psicografias

Deixe uma resposta