MEDIUNIDADE

“E nos últimos dias acontecerá, diz o Senhor, que do meu Espírito derramarei sobre toda carne; os vossos filhos e as vossas filhas profe-tizarão,  vossos  mancebos  terão  visões  e  os  vossos  velhos  sonharão sonhos.” — (ATOS, capítulo 2, versículo 17.)
 
No dia de Pentecostes, Jerusalém estava repleta de forasteiros. Filhos da Mesopotâmía, da Frígia, da Líbia, do Egito, cretenses, árabes, partos e romanos se aglomeravam na praça extensa, quando os discípulos humildes do Nazareno anunciaram a Boa Nova, atendendo a cada grupo da multidão em seu idioma particular.
Uma onda de surpresa e de alegria invadiu o espírito geral.Não faltaram os cépticos, no divino concerto, atribuindo à loucura e à embriaguez a revelação observada. Simão Pedro destaca-se e esclarece que se trata da luz prometida pelos céus à escuridão da carne.

Desde esse dia, as claridades do Pentecostes jorraram sobre o mundo, incessantemente.

Até aí, os discípulos eram frágeis e indecisos, mas, dessa hora em diante, quebram as influências do meio, curam os doentes, levantam o espírito dos infortunados, falam aos reis da Terra em nome do Senhor.

O poder de Jesus se lhes comunicara às energias reduzidas.

Estabelecera-se a era da mediunidade, alicerce de todas as realizações do Cristianismo, através dos séculos.

Contra o seu influxo, trabalham, até hoje, os prejuízos morais que avassalam os caminhos do homem, mas é sobre a mediunidade, gloriosa luz dos céus oferecida às criaturas, no Pentecostes, que se edificam as construções espirituais de todas as comunidades sinceras da Doutrina do Cristo e é ainda ela que, dilatada dos apóstolos ao círculo de todos os homens, ressurge no Espiritismo cristão, como a alma imortal do Cristianismo redivivo.

CAMINHO, VERDADE E VIDA – FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER – DITADO PELO ESPÍRITO EMMANUEL

Mesopotâmía,  da  Frígia,  da  Líbia,  do  Egito,  cretenses,  árabes,  partos  e
romanos se aglomeravam na praça extensa, quando os discípulos humildes do
Nazareno anunciaram a Boa Nova, atendendo a cada grupo da multidão em
seu idioma particular.
Uma onda de surpresa e de alegria invadiu o espírito geral.
Não  faltaram os  cépticos,  no  divino  concerto,  atribuindo à  loucura  e  à
embriaguez a revelação observada. Simão Pedro destaca-se e esclarece que
se trata da luz prometida pelos céus à escuridão da carne.
Desde esse dia, as claridades do Pentecostes jorraram sobre o mundo,
incessantemente.
Até aí, os discípulos eram frágeis e indecisos, mas, dessa hora em diante,
quebram as influências do meio, curam os doentes, levantam o espírito dos
infortunados, falam aos reis da Terra em nome do Senhor.
O poder de Jesus se lhes comunicara às energias reduzidas.
Estabelecera-se a era da mediunidade, alicerce de todas as realizações do
Cristianismo, através dos séculos.
Contra  o  seu  influxo,  trabalham,  até  hoje,  os  prejuízos  morais  que
avassalam os caminhos do homem, mas é sobre a mediunidade, gloriosa luz
dos  céus  oferecida  às  criaturas,  no  Pentecostes,  que  se  edificam  as
construções  espirituais  de  todas  as  comunidades  sinceras  da  Doutrina  do
Cristo e é ainda ela que, dilatada dos apóstolos ao círculo de todos os homens,
ressurge no Espiritismo cristão, como a alma imortal do Cristianismo redivivo

Posted in Mensagens Psicografadas por Chico Xavier

Deixe uma resposta

Psicografias

Prezados Amigos,

Com alegria informamos da psicografia, como sempre sobre as bênçãos de Jesus, na divulgação da Doutrina Espírita codificada por Allan Kardec à luz do Evangelho de Jesus.

Calendário atualizado em todos os locais. (aqui).

Senhas da Psicografia

Em geral, convidamos a todos que busquem, se for de sua vontade, uma Casa Espírita, orientada conforme os preceitos de Jesus e Kardec, e de fácil acesso, com o objetivo de conhecerem a Doutrina Espírita em seus estudos e cursos especializados.

Fraternalmente,
EQUIPE PORTAS DO AMOR