Fases da Vida Missionária de Chico Xavier – Revelação

1)    Revelação

Qual seria depois das mesas girantes que agitaram a Europa e as Américas, especificamente Paris na França levando Sr. Rivail, posteriormente Allan Kardec a descortinar o Mundo Espiritual, o fato mais impactante que denotasse a interferência clara do Mundo Espiritual no Mundo Físico?

Sem dúvida o lançamento do primeiro livro da lavra mediúnica de Chico Xavier, Parnaso de Além Túmulo, editado pela Federação Espírita do Brasil, ocorrida em 1932, quando Chico contava com 22 anos.
Residente na humilde Pedro Leopoldo-MG, tendo como base escolar o primário, os Poetas Redivivos retornam pelas mãos do humilde Chico, imprimindo suas características pessoais, seus gostos, temas, a mesma métrica na formação das Poesias. Mesma estética de forma inconfundível. Citaríamos Augusto dos Anjos, Amaral Ornellas, Antero de Quental, Casimiro Cunha, Casimiro de Abreu, Castro Alves, Cruz e Souza, Guerra Junqueiro, João de Deus, Olavo Bilac…

O livro Parnaso de Além Túmulo, chamou a atenção do público, de pessoas conceituadas como o Sr Humberto de Campos da Academia Brasileira de Letras.

Pedro Leopoldo tornou-se ponto turístico de reportagem.

Na época O GLOBO encaminhou um repórter para verificar o que estava ocorrendo na pacata cidade de Pedro Leopoldo. Esta documentação esta no livro Notáveis Reportagens de Chico Xavier, editado pela IDE de Araras, relatando o trabalho documental do repórter Clementino de Alencar.

Neste livro Clementino presenciou Chico Xavier psicografando em Inglês, mensagem ditada pelo Espírito de Emmanuel.
Livro de leitura essencial para os que militam a Doutrina Espírita. Manancial precioso da autenticidade da mediunidade de Chico Xavier e da existência do Mundo Espiritual.

Nesta fase da mediunidade de Chico Xavier, temos o plano elaborado pela Espiritualidade, sem dúvida sob a égide de Jesus. Emmanuel é convocado a esta tarefa árdua, mas necessária, para que o Espiritismo saísse dos vidros do laboratório, para florescer as bênçãos do Evangelho Redivivo.

Ainda assim, se faz necessário chamar a atenção visual do homem compelindo o ao raciocínio e a reflexão constatando a existência do Mundo Espiritual, a pátria verdadeira de onde viemos e para onde retornaremos.

Ainda nesta fase teremos o segundo livro Cartas de uma Morta, editado por Maria João de Deus, sua mãe, em 1935, prenuncio do  trabalho que seria posteriormente desenvolvido por André Luiz.

Com toda a sua doçura Chico prefacia dizendo: As páginas que vão ler são de autoria daquela que foi, na Terra, a minha mãe muito querida.

Ela irá contar não só para o Chico  mas para nós as ocorrências no Mundo Espiritual.

Em 1938, Humberto de Campos ele que outrora extasiará ao ler o Parnaso, traz ao público à visão Espiritual do Brasil lançando o livro Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho.

Em seguida Emmanuel nos presenteará com a magnífica Obra A Caminho da Luz – 1939, revelando-nos a visão espiritual da evolução da Humanidade.

Contudo, o trabalho mais engenhoso, estupendo, elucidador nascerá em 1944, quando é lançado o livro Nosso Lar, editado pelo denominado repórter do além André Luiz, que fora médico no Rio de Janeiro, respeitado e conhecido.

A partir daí as revelações chegam em abundancia todas ditadas por André Luiz a saber:

Os Mensageiros – 1944, Missionário da Luz – 1945, Obreiros da Vida Eterna – 1946, No Mundo Maior – 1947, Libertação – 1949, Entre a terra e o céu – 1954, No domínios da mediunidade – 1955, Ação e Reação – 1957, Evoluções em Dois Mundos – 1959, Mecanismos da Mediunidade – 1960, Sexo e Destino – 1963, E a vida continua… – 1968.

Igualmente, é a época gloriosa dos Romances de Emmanuel. Há 2000 anos – 1940, 50 anos depois – 1940, Paulo e Estevão – 1942, Renuncia – 1943, Ave Cristo – 1953.

E concluímos nossos apontamentos com a substanciosa Obra Boa Nova, ditada por Humberto de Campos, com a visão espiritual dos momentos Divinos de nosso Mestre e Senhor Jesus entre nós.

Consoante sabemos as duas obras que Chico mais detinha apreço, carinho e que lhe marcaram na atividade mediúnica foi Paulo e Estevão e Boa Nova.

Precisamos salientar que podemos associar: revelar com o esclarecimento, porquanto não temos só revelações nesta fase, mas verdadeiros tesouros com teor moral e espiritualizante.

Chico mantem-se fiel a orientação de Emmanuel que o buscará no Açude, na monumental aparição convocando – o a tarefa com Jesus na famosa base: DISCIPLINA, DISCIPLINA, DISCIPLINA.

Por: Orlando Noronha Carneiro

Publicado em Chico Xavier - Fases Missionárias