Caminho de dengo comigo (Andre Luiz Gomes de Lima)

Mãe, minha mãe Rita, que beleza estar aqui nesse ambiente do bem.

Fica sossegada mamãe, fica tranquila, seu filho estampará pelas mãos da minha avó.

Infelizmente a violência e a ignorância estão por aí, nós sempre precisamos ficar atentos, mas você sabe que eu não estava metido em gangues, por mais convites que não faltaram.

A maldade quer sempre achar uma brecha para se infiltrar.

Quando saí de sua casa para ir para minha casa fui abordado, e sem qualquer possibilidade de defesa atentaram conta mim. Depois o meu corpo não resistiu no hospital.

O que preciso dizer é o que você sabe, que não havia nenhuma dívida minha, ou qualquer outra coisa que eu valha.

Não sou perfeito, mas sabemos que onde estávamos acabávamos incomodando com nossa firmeza o que não agrada a ponto de chegarmos em atitudes extremas como aconteceu comigo.

Não posso passar dessas informações, pelo o que os coordenadores espirituais daqui permitem.

Deixo o meu beijo à Amanda, à Aila, minhas filhas. Deixe o abraço forte com saudade ao Diogo e ao Bruno, meus irmãos.

Para que você saiba que sou eu nessa carta, fico muito emocionado por vê-la dormir todos os dias com o meu boné do lado de seu rosto sentindo o meu cheiro. Não está fazendo mal esse seu caminho de dengo comigo.

Coloque em um quadro o desenho que lhe deixo aqui.

Seu filho com carinho…

­DEDÉ

ANDRÉ LUIZ GOMES DE LIMA (05/01/2016, 28 anos)

Mensagem psicografada na Associação Beneficente Espírita Caminheiros do Bem, em Curitiba, no dia 20 de março de 2016, pelo médium Orlando Noronha Carneiro.

Publicado em Destaques, Psicografias